Arrisque!

A risca de giz também está presente no streestyle

Por Isabela Guevara

Do clássico para as ruas, a padronagem risca de giz é mais uma tendência desmistificada pela moda no século 21. O tecido listrado é um clássico do vestuário masculino. Geralmente as riscas de giz são claras sobre um fundo escuro e seu uso era comum nos ternos dos gangsteres americanos nos anos de 1920, mas foi somente nos anos 1970 que essa padronagem apareceu em um editorial de moda e hoje ela pode ser mais versátil do que se imagina.

Camisa e shorts – Louis Belafre (Foto: Amanda Vieira)

Camisa e shorts – Louis Belafre (Foto: Amanda Vieira)

Para Maria Amélia Anibal Claus, designer de moda, especialista em fashion business e docente do Senac Piracicaba há cinco anos, a padronagem risca de giz geralmente é usada no inverno, mas dependendo do tecido pode ser usada nas estações quentes. Fernanda Yamamoto, A La Garçonne e Prada apresentaram esse tecido em suas passarelas e fizeram a desconstrução das listras e formas. “Para transformar em looks despojados pode usar a risca-de-giz com uma estampa floral. Fica um look contemporâneo”, explicou Maria Amélia.

A especialista em moda indicou para as peças femininas o uso da calça alfaiataria como uma curinga, “se usada com uma blusa de seda fica muito elegante”, completou. Para a felicidade geral da nação, a docente afirmou com todas as letras que todas as mulheres e seus mais diversos biótipos podem usar a risca de giz sem medo, pois não há regras para a padronagem. Maria Amélia selecionou três dicas para não errar usando essa padronagem se você não tem muita certeza da produção que está montando:

• Nunca use outro tipo de risca de giz na mesma roupa;

• Os tecidos de alfaiataria – principalmente o linho – caem melhores para a padronagem;

• Sempre fique atenta para a peça não ficar muito justa ao corpo.

Publicado em: 17 de fevereiro de 2017

Adicionado em: Estilo

Deixe uma resposta