Cozinha maternal: Chefs mamães falam sobre prazer de reunir a família para degustar receitas deliciosas

Por Thainara Cabral

O prazer das refeições não está apenas nos pratos saboreados.

Claro que o paladar é um dos grandes beneficiados, porém, estar à mesa com os familiares é um bônus considerável desses momentos.

O peso da rotina impede que muitas famílias mantenham o costume de tomar café da manhã, almoçar ou jantar juntas, por isso, as datas comemorativas são tão aguardadas para o reencontro de parentes que moram em outras cidades, ou mais próximo, e até mesmo em uma única casa. Anualmente, os tradicionais almoços de domingo ganham um peso emocional maior no Dia das Mães, data em que todos os familiares de reúnem para celebrar um dos amores mais puros, o materno.

E é claro que esta união é comemorada em volta da mesma, com receitas especiais que remetem ao aconchego de mãe.

Salada de cebola roxa com rúcula e queijo de cabra é opção saudável (Foto: Amanda Vieira/JP)

Salada de cebola roxa
com rúcula e queijo de
cabra é opção saudável (Foto: Amanda Vieira/JP)

O Dia das Mães é uma data em que a culinárias está praticamente associada.

Para a coordenadora do curso de gastronomia da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Mariana Ávila Maronna, receitas com frutos do mar podem ser ideais.

“Pratos à base de peixes e frutos do mar remetem a ocasiões festivas para homenagear e celebrar. Também, como estamos na metade do outono, com o tempo mais fresco, os pratos mais quentes, com pimenta, molhos e ensopados são boas pedidas”, afirmou.

Paella, Curry Tailândes, com camarão, leite de coco e pimenta são algumas das indicações da chef.

Seguindo essa linha sofisticada, mas com um preparo simples, Mariana sugere um lombo de bacalhau com purê de couve-flor e espinafre, farofa e pesto de azeitonas pretas.

No prato, o bacalhau em posta dessalgado, levado ao forno submerso no azeite, temperado com sal e pimenta, é colocado em cima do purê, preparado com um maço de couve-flor e espinafre batidos no liquidificador com leite e temperos, após o cozimento.

A farofa que acompanha é feita com pão italiano amanhecido triturado e azeitona, filés de anchova e castanha do pará processados. Na apresentação, a chef utilizou uma cabeça de alho assada com azeite, sal, pimenta e ervas, além de azeite de pimentão. Este último é feito com pimentão vermelho sem pele e sementes assado, misturado ao azeite.

“É um prato com preparo simples, que não toma muito tempo, mas faz uma boa apresentação à mesa”, comentou Marina. Na linha da culinária saudável, Michele Maia, chef especializada em culinária natural e colunista da Arraso semanal, sugere uma salada de cebola roxa ao balsâmico com rúcula e queijo de cabra e o Terrine de Abobrinha com Hortelã para um almoço mais leve do Dia das Mães.

“Acredito que os pratos para essa data devem ser aqueles que fazem parte da história de cada família, mas também devem trazer algo novo e surpreendente. O elemento surpresa sempre marca o momento”, ressaltou.

No cardápio de sobremesas, Mariana cita as receitas à base de chocolate, que têm ótima aceitação, como tortas ou mousses acompanhados de caldas de frutas vermelhas, as quais remetem a ocasiões festivas. Também pelo clima mais fresco, as sobremesas com maçã e canela são opções.

“Elas lembram algo mais aconchegante e caseiro, como uma torta de maçã e canela com creme chantily”, disse a chef.

A chef Mariana Maronna com uma de suas filhas, Olívia, de 4 anos (Foto: Amanda Vieira/JP)

A chef Mariana
Maronna com uma
de suas filhas,
Olívia, de 4 anos (Foto: Amanda Vieira/JP)

CHEFS MAMÃES – Michele e Mariana são mães de dois meninos e duas meninas, respectivamente, e ressaltam a importância da gastronomia em ocasiões especiais.

“Nem sempre conseguimos nos reunir para uma refeição todos os dias. São nessas datas que temos a oportunidade de ter toda família junta, compartilhando receitas e memórias. Lembro sempre que almoçava fora ou na casa das avós no Dia das Mães. Sou fi lha de uma mãe maravilhosa em vários sentidos, mas que não gosta de cozinhar. Então, no Dia das Mães, nada de cozinha”, relatou Michele.

Líder do movimento Slow Food no Brasil, Mariana afi rmou que o papel fundamental da comida é reunir as pessoas. Segundo ela, um dos preceitos do Slow Food é o convívio entre as pessoa sem torno do alimento e pensar no que se está comendo.

“A refeição é um momento de celebrar e, ao mesmo tempo refl etir sobre a alimentação. Os tradicionais almoços italianos duram três, quatro horas e, apesar do protagonista ser a comida, o importante é o momento de convivência”, ressaltou a chef.

Publicado em: 15 de maio de 2017

Adicionado em: Estilo

Deixe uma resposta